Cão Feliz

A sociedade contemporânea, com seu novo crescimento e estilo de vida, estão mais suscetíveis a manifestação de um quadro de isolamento pessoal e isso vem contribuindo para o aumento no número de animais de companhia. Em consequência desse novo estilo de vida dos seus pets, os seres humanos influenciaram os animais com suas frustrações e medos. Nos últimos 25 anos, tem-se tornado cada vez maior e mais comum para os veterinários ver animais com problemas de ansiedade.

Essa mudança do tratamento dos tutores para com os seus pets é o que gera distúrbios psicossomáticos. Isso pode resultar em um animal, muitas vezes, incompreendido pelo seus tutores, pois muitos não sabem qual é o comportamento canino normal ou o comportamento que possam ter, pois eles conhecem somente seus cães como membros da família. Isso significa que sem o contato com cães de outras famílias, é ainda mais difícil saber se aquilo que ocorre com seu pet é normal ou não, pois não possuíram um exemplo.

Essa é uma condição da Ansiedade de separação, ela é uma condição de pânico que se manifesta em comportamentos destrutivos como arranhar portas e janelas, latir ou uivar constantemente, urinar e defecar pela casa, e em alguns casos, pode acabar que o cão fique em estado tão grave que irá resultar no cachorro se machucando sozinho.

A dependência emocional em relação ao tutor não pode ser visto como um sinal de amor ou carinho, pois é na realidade um transtorno que pode gerar depressão, estresse ou a síndrome de ansiedade de separação. Cães com ansiedade de separação costumam ficar muito agitados quando percebem que o dono está para sair, latem ou choram para chamar a atenção, além de seguirem o dono pela casa inteira e às vezes até começarem a tremer e puxar pelas roupas dos humanos para convencê-los a ficar.

Diagnóstico:

Será necessário que o animal receba um exame clínico completo. Dependendo dos comportamentos específicos que o cão está apresentando, pode ser necessário realizar um exame ainda mais detalhado. O diagnóstico irá se basear na no comportamento e no histórico detalhado (isso inclui os comportamentos do pet assim que chegou em seu novo lar, até o momento que apresenta esse comportamento).

Como lidar com a ansiedade de separação

— Antes de sair:

Pode fazê-lo ficar mais calmo na hora que você estiver saindo sem ele, e antes pode fazê-lo gastar energia de uma forma bem simples. Brinque bastante com seu pet ou dê um passeio com ele. Assim ele vai estar cansado o suficiente quando você estiver saindo e vai estar mais propenso a usar uma parte do tempo sozinho para comer, beber água e cochilar bastante.

— No momento de sair:

É muito importante atenção na hora da saída. Não dê muita atenção ao cachorro na verdade, você pode ignorá-lo nos 15 minutos que antecedem a saída. Pode parecer uma atitude cruel, entretanto é melhor fazer isso do que aquelas despedidas muito longas. Essas despedidas mostram ao peludo que você está sofrendo por ter de deixá-lo sozinho e se você está sofrendo, ele acredita que também vai sofrer quando estiver sozinho.

1. Comece saindo por pouco tempo e vá aumentando essa pausa aos poucos, alguns minutos por dia.

2. Haja como se fosse sair, troque de roupa, coloque os sapatos, pegue as chaves e fique em casa. Depois de um tempo, desfaça tudo e continue agindo como se nada de diferente estivesse acontecendo.

3. Deixe tudo pronto com antecedência de coisas já prontas (por exemplo, deixe as chaves dentro da bolsa para não fazerem barulho). Isso vai deixar o cão menos atento ao momento de saída.

— Na sua chegada:

Não faça cerimónia na chegada, caso faça, seu cão pode pensar que algo ruim aconteceu e por isso ele não deve permitir que você saia. Pode fazer contato visual com o cão, mas não fique interagindo demais com ele. Se ele tiver feito bagunça e você chegar com agitação e dando bronca, ele vai interpretar isso como um reforço positivo.

Ferramentas de auxílio

— Recompensas e jogos:

É muito comum que os cães adorem mastigar, esse é um comportamento natural dos que os auxiliam em diversas funções, isso inclui aliviar o estresse canino. Estimule seu cão a mastigar e brincar com itens apropriados. Pode até mesmo comprar brinquedos recheados ou petiscos e esconder pela casa para que ele procure.

— Fragrâncias naturais:

A técnica aromaterapia também pode ser muito útil. Muitos difusores imitam aromas naturais que lembram os cães de suas mães e lhe conferem conforto e segurança. Outros também são substâncias naturais que o tranquiliza. Manter esses aromas no ambiente enquanto você está fora pode auxiliar muito seu cachorro.

• Aromas como:

1. Óleos essenciais especiais para o pet;

2. Ervas;

3. Incenso;

— Suplementos calmantes:

Pode pedir a recomendação a um veterinário para o uso de comprimidos mastigáveis e aditivos para água, para dar a ele alguns minutos antes de sair. Esses suplementos são seguros para seu cachorro e muitos são feitos de ingredientes naturais. Mas nunca dispense a opinião de um especialista em relação a isso.

Em resumo, faça companhia ao seu pet, sempre permita que ele realize certas tarefas sem você auxiliando ou como companhia. Permita que ele se acostume a comer sozinho em um cômodo, ou que ele se distraia com um brinquedo sem precisar que você participe da brincadeira. Quando ele aprende que consegue fazer essas coisas sozinho, ele conseguirá fazê-las quando você se ausentar. Esse é o principal treinamento contra a ansiedade da separação. Também é uma boa ideia que você faça o adestramento ou pelo menos os comandos básicos como sentar, deitar e ficar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *