(65)4042-1055 |atendimento@caofeliz.com
Português France Italian English Spanish

Conheça as raças de cães que mais sofrem com o calor

Conheça as raças de cães que mais sofrem com o calor


Alguns cães estão mais suscetíveis ao aumento de temperatura corporal em épocas mais quentes. Um estudo feito pelas Universidades Trent de Nottingham e Royal Veterinary College mostrou que mais de 1200 raças de cães sofrem mais no calor que outras.

Alguns cães estão mais suscetíveis ao aumento da temperatura corporal em épocas mais quentes. Um estudo feito pelas Universidades Trent de Nottingham e Royal Veterinary College mostrou que mais de 1200 raças de cães sofrem mais no calor que outras.

Algumas raças de cães que mais sofrem com calor:

Chow Chow: por ser um cão de temperaturas mais baixas, é uma das raças que menos aguentam o verão, mesmo tosado. A tosa que é feita deve ser mínima, a pelagem do Chow Chow o permite manter a temperatura corporal e o protege de queimaduras, para ajudá-lo ofereça sempre lugares com água, sombras e ventilação.

Bulldogue: esse pet é mais suscetível a uma hipertermia, por isso seus tutores devem estar atentos aos cuidados como horários de atividades, alimentação e ventilação para que a saúde desse pet seja mantida em dia.


Bulldogue francês: esse cão não gosta de climas muito quentes, muito importante tomar cuidado com ele dentro da água, pois sua condição física não o permite nadar bem.


Malamute do Alasca: essa raça gosta mais do frio, então em períodos mais quentes é importante ter alguns cuidados como a ventilação, evitar sair em horas muito quentes, eliminar todo o pelo morto e levar o cão para fazer exercícios durante o início da manhã ou final da tarde.


Pug: devido ao seu nariz achatado, os pugs têm muita dificuldade com a mudança brusca do clima, principalmente em períodos quentes. A alimentação e outros cuidados com a saúde são importantes para a aqualidade do cão contnue bem.


Golden retriever: para essa raça não é recomendável oferecer exercícios muito intensos e frequentar lugares com altas temperaturas, porque pode acontecer do pet sofrer choques térmicos. Neste caso é mais indicado fazer exercícios no final do dia, quando o clima está mais ameno.


Springer spaniel: esse cão prefere climas mais frios. Em épocas mais quentes pode acabar o levando a uma hipertermia caso os cuidados necessários não sejam tomados.


Os sintomas de que cão está com calor são simples, geralmente eles ficam ofegantes, com muita sede e língua para fora. Com essa temporada de altas temperaturas a vista, todos somos atingidos e isso inclui pets. Algumas raças precisam de mais cuidados devido ao seu porte físico, os cães braquicefálicos são um exemplo de pets que sofrem com o calor, eles ainda carregam o risco de terem uma hipertermia, caso não haja cuidados com sua saúde.

A hipertermia é caracterizada pelo aumento da taxa metabólica, com aceleração no ritmo respiratório, a fim de regular a temperatura corporal. Quando o cão se encontra em temperaturas extremas, pode entrar em processo de desidratação podendo ter um colapso respiratório.

Sintomas que o cão está sofrendo com o calor:

Salivação excessiva;

Apatia;

Andar cambaleante;

Respiração ofegante;

Vômitos e diarreias;

Taquicardia;

Dicas do que fazer para diminuir o calor do pet:


Água fresca: pode oferecer mais gelada ao cão e até água do coco.

Locais com sombra: lugares com árvores principalmente.

Locais com superfícies frias: o chão, os pets amam ficar deitados no chão que é um local com sombra.

Tapetes gelados: estes tapetes geralmente são vendidos em pet shops.

Evite passeios em horários mais quentes: não saia entre as 10h e 15h e após esses horários em lugares sombreados.

Não exagere nos exercícios: tome cuidado exercícios nesse período do ano, pois os pets podem acabar cansando mais que o normal e consequentemente desidratando.

Nunca deixe no carro: mesmo que seja em um tempo curto e com a janela aberta o cão não deve ficar sozinho em um carro.

Cuidados com cães de focinho curto: animais braquicefálicos são os mais suscetíveis a hipertermia e choque térmico. Eles precisam de cuidados extras, com mais pausas durante os exercícios, bastante água e um ambiente com a temperatura agradável.


Cuidados extras com cães idosos, com sobrepeso, problemas cardíacos e respiratórios: mantenha o máximo de tempo em lugares ventilados, se possível mantenha a pelagem curta durante o verão e uma alimentação leve.

Piscina e mar: o cuidado deve ser dobrado nesses lugares. Nunca deixe o animal sozinho e se possível use coletes neles.

Cuidado com janelas e varandas: é normal que o pet vá atrás de um ar, é importante que as janelas tenham proteção para que não aconteça acidentes. 

Tosa: mantenha seu pet se necessário tosado, especialmente se esse cão estiver com o pelo muito longo, mas não exagere e sempre deixe até 5cm de pelagem.

Mais banhos: ofereça mais banhos para o seu pet, mas nada além do necessário.

Atenção contra pulgas e carrapatos: mantenha a proteção contra ectoparasitas sempre com uma boa higienização e idas ao veterinário.